A lição do passarinho



Estive observando a vida dos pássaros.
Sempre que olhamos para o céu, os vemos voando,  cantando... mas dificilmente nós paramos para pensar de onde eles vem e para onde vão.
Esta reflexão teve sua origem enquanto eu observava bem de perto um passarinho que construiu o seu ninho na lavanderia da minha casa.
Levantando a mão para cima eu quase podia tocar o ninho!
Todos os dias eu pude ver aquele ninho crescendo um pouco mais e aos poucos fui familiarizando com a alegria daquele pássaro.
Ela levantava bem cedinho cantando e voando pra lá e pra cá cheia de alegria sempre trazendo algo em  novo em seu bico.
Foram vários dias, vários voos e em cada uma destas etapas ela trazia em seu bico um pequeno graveto, um mato seco ou algo desconhecido até completar sua construção.
De repente,o ninho estava prontinho e num belo dia lá surgiram dois ovos que dariam continuidade á espécie.
Todos os dias ela ficava lá bem quietinha, aquecendo os ovos no ninho.
O tempo que ela ficou ali só aguardando silenciosamente, me ensinou muitas lições:
1. a pressa não acelera os acontecimentos.
2. aguardar é preciso.
3. Nem tudo acontece no dia em que a gente quer.
4 perseverança.
Enfim, o tempo foi passando...e num belo dia os filhotes romperam a casca que os separava da mãe.
Até ali eu pensava que já havia aprendido tudo sobre os pássaros , mas depois percebi que eles precisam aprender á voar!
Estava chegando a hora da maior aventura que eles já viveram. Voar requer muita coragem. Deixar o ninho era voar,mas também era enfrentar os perigos da vida: os gatos dos vizinhos, os morcegos á noite, os cães no quintal , as tempestades , os ventos etc.
Pensando bem, o ninho era bem mais seguro!
Sutilmente, a mãe pássaro ensinou os seu filhotes á enfrentarem os obstáculos que viriam após o primeiro voo. E que lição difícil eles tiveram que aprender!
Aos poucos a mãe foi se afastando do ninho e dos filhotes. Ela sempre os observava de longe, mas não levava  mais alimentos para eles com a mesma frequência.
Isso os forçou á deixarem o ninho, pois mesmo em um ´´berçário`` tão confortável, eles precisavam buscar o seu próprio alimento, ser independentes...e depois voar.
Depois das primeiras quedas, depois da escassez de alimento, depois que o ninho ficou pequeno para comportar a família inteira, depois que a mãe já não cuidava mais deles como bebês ,eles resolveram arriscar e sair do ninho para voar!
O primeiro voo não foi como eu esperava.
Vi dois pássaros cheio de medo, fragilidade e insegurança aprendendo á voar.
 Tive a forte impressão de que o primeiro voo mais se parecia com uma queda do ninho.
Com cuidado, eu peguei um deles nas mãos (era tão frágil que tive medo de machuca-lo) pois em certo momento, eles pareciam perdidos no chão.
Percebi que o voo surge depois do medo. É ai que entra a coragem e abrir as asas é apenas a primeira  ação para se libertar do medo e impulsionar o voo.
E foi assim que aqueles dois pássaros abriram as asas e desapareceram no céu.
Depois que eles descobriram as asas, perceberam que o céu é um espaço muito maior do que aquela lavanderia.

O céu, o horizonte, o sol...viajar e ir além das montanhas... com tantos lugares lindos para voar é impossível permanecer no mesmo lugar.

Voar é o destino dos pássaros.







´´Vencer o medo de voar já é o primeiro voo.``

Elizabeth Rodrigues

Nenhum comentário: